PORTES GRÁTIS PARA PORTUGAL CONTINENTAL EM COMPRAS SUPERIORES A €100

Vinho Branco Douro DOC VVV Valleys . Quinta Vale D. Maria

Quinta Vale D. Maria

Quinta Vale D. Maria
Localizada no coração da região demarcada do Douro, no vale do Rio Torto, a Quinta do Vale D. Maria tem uma longa história de mais de 250 anos em mãos familiares. A quinta, comprada em 1996, por Joana e Cristiano van Zeller à família de Joana, tem agora um total de 45 hectares de vinhas (22 hectares de vinhas entre 60 e 90 anos, 18 hectares com 35 anos e 5 hectares com 10 anos), a quinta tem identificadas e plantadas 41 diferentes castas, que cobrem um amplo espectro de variedades tradicionais do Douro - Tinta Amarela, Rufete, Tinta Barroca, Tinta Roriz, Touriga Franca, Touriga Nacional, Sousão e muitas outras. A empresa produz uma série de Douro tintos e Portos desde 1996.

Condições:
Este foi o ano do regente e do seu bastão. O momento escolhido para os tratamentos da Vinha e para a vindima tinham que ser muito certeiros para atingirmos o equilíbrio dos nossos vinhos Brancos, Tintos e Porto. Um conhecimento profundo da vinha, um estudo cuidadoso das previsões climáticas e paciência foram os principais fatores para decidir quando tratar e vindimar este ano. O inverno começou quente, mas com muita chuva, o que foi um excelente começo para repor água no solo depois de um ano de seca como 2015. Registámos cerca de 80mm de precipitação acima da média dos últimos 30 anos. Esta chuva inicialmente tão bemvinda, continuou em abril e maio. O rio Torto, que flui no sopé da Quinta Vale D. Maria, surpreendeu-nos ao inundar as suas vinhas mais próximas e as inundações ao longo do Rio Douro foram frequentes. Esta chuva constante e as temperaturas frescas exigiram cuidados redobrados a todas as nossas vinhas. Na Vinha velha, cada videira está muito próxima e, com tanta chuva, as ervas cresceram de forma mais selvagem do que alguma vez tínhamos visto. Isso fez com que a prevenção ao míldio e ao oídio fosse um pouco mais difícil. No entanto, o crescimento de ervas, ironicamente, agiu para evitar a propagação do míldio e a maioria dos nossos cachos resultaram muito saudáveis. O que ocorreu foi que cada videira produziu menos cachos do que a média na Quinta Vale D. Maria, aumentando a concentração do sabor e aroma em cada bago. Junho e Julho foram meses mais regulares e Agosto registou temperaturas inusitadamente quentes, o que atrasou a maturação. Felizmente, chegou a muito desejada chuva nos dias 24 e 26 de Agosto. A vindima arrancou a dia 5 de setembro. Cada dia escolhido para a vindima foi cuidadosamente selecionado, tomando em particular atenção os níveis de acidez para manter o equilíbrio em um ano tão atípico. Para o produtor paciente, as chuvas nos dias 12 e 13 trouxeram a água necessária para manter a maturação dos bagos a evoluir lentamente e vimos cachos saudáveis.

Origem das uvas:
A nossa família trabalha no Douro há 15 gerações. Ao longo desta longa história, trabalhamos com uvas de diferentes zonas do Douro e de diversas castas. VVV Valleys Douro Branco mostra o carácter único e diferenciado da região, onde encontrámos as vinhas que sentimos expressar o Douro que já conhecemos há muitos séculos. São plantações com mais de 50 anos de idade, com várias castas, mostrando as verdadeiras Vinhas Velhas do Douro.

Vinificação e envelhecimento:
Uvas desengaçadas, ligeiramente esmagadas em prensa pneumática, sendo o mosto resultante decantado para cubas de aço inox de 2.500 litros durante 24 horas a 10°C e em seguida passado para barricas um ano de carvalho francês de 225 litros, onde fermenta durante 25 dias a temperaturas controladas entre os 10°C e 14°C. Estágio nessas barricas durante cerca de 8 meses, com battonage.

Engarrafamento:
Julho 2016. 4.827 garrafas de 75cl e 103 Magnums.

Notas:
Vale D. Maria VVV Valleys é um vinho branco com fruta vibrante no nariz, com toques a pêssego, damasco e alguns frutos tropicais. A madeira está presente com algum aroma a baunilha e a fumados. Na boca, este vinho revela-se extremamente fresco, aparecendo uma mineralidade impressionante, que perfura os sabores da barrica, criando assim um vinho extremamente fresco, vibrante e equilibrado.

Enólogos: Cristiano van Zeller / Joana Pinhão / Francisca van Zeller

Análise:
Álcool: 10,94% vol
Acidez total: 6,28 g/l
Acidez volátil: 0,42 g/l
pH: 3,16
SO2 total: 121 mg/l
Açúcares totais: 1,5 g/l





Itens Relacionados