PORTES GRÁTIS para Portugal Continental em compras superiores a €100

0

O Seu Carrinho está Vazio

Quinta do Vale Meão

Vinho Branco Meandro . Quinta do Vale Meão

Relatório da Vindima:
O ano de 2016 foi pautado por uma Primavera bastante chuvosa, tendo os níveis de precipitação registados entre Novembro de 2015 e Maio de 2016 atingido o dobro relativamente ao ano anterior. Devido à elevada precipitação registada na Primavera, as vinhas apresentaram bom vigor e uma parede vegetativa bastante equilibrada. O verão tardou em chegar, uma vez que a temperatura média registada em Maio e Junho foi mais baixa que a de 2015 porém, em Agosto, a temperatura média manteve-se mais alta que a registada no ano anterior. Não obstante do calor registado, a precipitação ocorrida na Primavera foi suficiente para manter as reservas de água no solo. Apesar das vinhas mais velhas não terem apresentado sintomas de stress hídrico, nas vinhas mais novas foi patente algum defice. Devido a valores elevados de stress térmico e luminoso, houve alguma perda de produção por escaldão dos cachos, nomeadamente em parcelas com exposição a Poente. Tais condições atrasaram um pouco a maturação dos cachos, tendo a vindima dos brancos começado apenas no dia 30 de Agosto. Iniciou-se a vindima dos tintos com a casta Tinta Barroca a 2 de Setembro, seguindo-se a Tinta Amarela e a Tinta Roriz a 3 de Setembro. Devido às excelentes condições climatéricas registadas durante o mês de Setembro, foi possível vindimar calmamente, aguardando pelo ponto ideal de maturação sem risco de ocorrência de precipitação. As últimas uvas de Touriga Nacional e Touriga Franca foram vindimadas a 8 e 10 de Outubro, respectivamente.
De um modo geral os vinhos de 2016 são bastante elegantes e equilibrados, tendo um excelente potencial.

Castas:
50% Arinto e 50% Rabigato. O Arinto é proveniente de uma vinha no Vale da Vilariça, em solo de aluvião, situada no extremo norte do Meandro. O Rabigato, por sua vez, está plantado em xisto numa vinha no extremo sul do Meandro. Ambas as vinhas, apesar de plantadas à cota de 200m e das condições típicas do Douro Superior, demonstram uma acidez surpreendente.

Vinificação:
Após ligeiro esmagamento as uvas são sujeitas a um choque térmico, seguido de passagem por uma prensa vertical tradicional. O mosto é transferido para cubas de vinificação de pequena capacidade, com controlo de temperatura. As castas são vinificadas separadamente. O vinho estagia sobre as borras durante sete meses.

Notas de Prova:
Em resultado da prensagem tradicional, o vinho apresenta cor esverdeada intensa. Nele podemos encontrar a acidez vibrante do Arinto combinada com a fruta viva do Rabigato. A boca surpreende pela densidade e frescura.

TUDO O QUE NUNCA PENSOU QUE PRECISARIA.