0

O Seu Carrinho está Vazio

Taylor´s

Vinho do Porto Taylors Vintage 2018

O ciclo da vinha de 2018 foi incomum e teve um efeito marcante no carácter do vinho. O ano anterior foi muito seco e quente e em 15 de Janeiro quase dois terços do país estava sofrendo com a seca, sendo o Vale do Douro uma das áreas mais afectadas. Felizmente, fortes chuvas em Março evitaram danos nas vinhas e reabasteceram as reservas de água subterrânea. A estação de crescimento entre Março até o final de Junho foi relativamente fria e húmida, provocando míldio em algumas áreas. A devastadora tempestade de granizo de 28 de Maio causou danos extensos às vinhas na região do Pinhão, incluindo a Quinta do Junco da Taylor’s.

O desenvolvimento das videiras estava cerca de três semanas atrás do de 2017, ocorrendo a floração no final de Maio e a colheita na última semana de Julho. Condições quentes e secas prevaleceram ao longo de Julho, seguidas por uma onda de calor muito intenso em Agosto. Em 3 de Agosto, a estação meteorológica na Quinta de Vargellas de Taylor registrou uma temperatura acima de 44 ° C. O calor extremo permitiu que as videiras recuperassem algum tempo perdido e as abundantes águas subterrâneas acumuladas no início do ano fizeram com que, apesar das condições quentes, o amadurecimento da colheita fosse gradual e equilibrado. A vindima na Quinta de Vargellas começou no dia 17 de Setembro sob clima quente e seco, que continuou durante toda a colheita. Os rendimentos foram muito baixos e as notas do enólogo relatam que os novos vinhos exibiam elegância, frescura de fruta, boa acidez e cor intensa.

Notas de Prova
Impressionante núcleo roxo-preto com um estreito bordo roxo. Uma poderosa explosão de frutas da floresta, e denso coulis de amora e groselha, dominam o nariz. Os aromas de fruta preta são infundidos com notas discretas de cereja e mocha. Como seria de esperar da Taylor’s, a fruta é muito fina e concentrada, mas o ano parece ter dado uma camada adicional de densidade e volume. Um familiar véu de perfume a violetas paira sobre o vinho, juntamente com uma fragrância de pétala de rosa e aromas de ervas silvestres e menta.

Na boca, o vinho possui taninos maravilhosamente maduros, que se integram perfeitamente no palato médio, proporcionando estrutura e volume, que terminam com um aperto firme. O paladar fecha com uma onda poderosa de frutas frescas e complexas que fluem infinitamente no longo final. No 2018, os característicos traços Taylor’s de fruta fina e poder interior combinam perfeitamente com a maturidade e profundidade típica do ano.

Pontuação: 19,5 | Richard Mayson
Revista Vinho Grandes Escolhas - Melhores do Ano