PORTES GRÁTIS para Portugal Continental em compras superiores a €100

0

O Seu Carrinho está Vazio

Herdade Aldeia de Cima

Vinho Tinto Reserva . Herdade Aldeia de Cima

Retrato de um saber antigo.
A Herdade Aldeia de Cima tem origem em 1758, mas a vivência cultural e tradicional de que é herdeira tem origens muito mais remotas. No passado da Herdade da Aldeia de Cima ecoam as vozes de fenícios, visigodos, romanos e sobretudo árabes que chegaram no século VIII e dominaram a região durante 500 anos, influenciando ainda hoje a cultura alentejana. Alguns estudiosos descrevem o alentejano como sendo alguém com o espírito de um romano no corpo de um árabe.

Sobre o vinho:
Estudamos a história do vinho e da vinha no território Alentejano, uma presença continuada no tempo e no espaço de tradição, geologia, texturas e aromas. Preservamos genuinidade porque sentimos desde o inicio que temos tempo. Fomos à procura das castas tradicionais. Encontramo-las, estavam perto de nós. É nos processos mais simples que conseguimos vinhos transparentes, de terroir, de emoção, autênticos mensageiros. Quisemos entender a natureza dos locais e conseguimos.

Primeira Vindima: 2017
Proprietário: Luisa Amorim
Enologia: Jorge Alves e António Cavalheiro
Viticultura: Joaquim Faia

Vinha:
Sub-região: Vidigueira, Estremoz e Portalegre
Solos: silto-argilosos ácidos, argilo-calcário, xisto-argiloso
Vindima: manual
Modo de Produção: integrada
Produção: 40hl/ha

Notas Adicionais de Produção:
Castas: 40% Trincadeira; 30% Alfrocheiro e 30% Aragonez
Estágio: 9 meses barricas carvalho francês 30% usado + 20% novo + 6 meses 30% cimento + 20% barro
Alcool: 14,1% alc.
Acidez: 4,7g/l
Engarrafamento: junho 2019
Produção: 8200 garrafas

Vindima:
De 22 agosto a 30 setembro 2017. O ano vitícola 2016/2017 é a prova de que se dúvidas houvesse em relação às alterações climáticas vividas nos nossos dias, a sua atipicidade fala por si, tendo sido caracterizado por um ano extremamente quente e seco.
A impercepção das estações do ano e a rapidez da evolução das condições climatéricas, contribuíram para um adiantamento bastante significativo do ciclo vegetativo da videira. A ausência prolongada de precipitação e a ocorrência de temperaturas elevadas fora de época, conduziram a um prolongamento do stress hídrico e térmico que, numa fase precoce do ciclo vegetativo, condicionou a normal evolução da planta.
Estas condicionantes levaram a uma das vindimas mais precoces que há memória. Do ponto de vista sanitário, a baixa humidade verificada, permitiu-nos colher as uvas extremamente sãs, ricas em açucares e compostos fenólicos. A colheita proporcionou mostos concentrados e de grande qualidade, mas que respeitou a expectativa inicial de baixos volumes produzidos.

TUDO O QUE NUNCA PENSOU QUE PRECISARIA.